terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Já é Hora de Dormir?



Há muito que quero descobrir sobre a hora certa de dormir. Já conversei, inclusive, com todo o tipo de gente: Trabalhadores, vagabundos, insones, notívagos e as pessoas que dormem cedo demais (que creio não possuírem designação própria). E cada um me diz uma hora ao ato.

“Depois da novela”; “Nunca”; “Na hora do sono” e “ZzZzZz...” – Fico procurando essa hora cabalística na esperança dela me salvar dos dilemas banais da vida. Aqueles que colocam o futuro cada vez mais diante de mim, pesando-me as coxas no colo trêmulo e desvigorado.

Replico a todos eles que detesto a hora de dormir, que é justamente a hora exata em que deito meus sonhos na cama. Aí dormimos os dois, os sonhos e eu, em quartos separados. Ele no quarto do esquecimento, eu no da pasmaceira e da preguiça. Durmo e tenho pesadelos.

Durmo a noite toda sob o sono pesado da mediocridade. O sono do proletário médio que vive uma vida-engrenagem, com os dentes gastos, patinando fora do eixo. Uma vida sonolenta e cheia de queixas esquálidas. Sou um eterno refém dos bocejos involuntários. Durmo muito!

No ponto. E esse é meu lugar preferido para dormir. Durmo no ponto que o sono lá é delicioso, quase transcendental! É onde durmo com mais competência, deixando a retração dos músculos e das ideias dominarem minhas pálpebras e meus sonhos mais genuínos.

Passa da uma da manhã e é só segunda-feira. Tenho um sono hibernal e não quero dormir. Gosto dos meus sonhos em toda sua altivez. Pena a máquina, com tanta parafernália tecnológica, não se engrenar sozinha. Eu só queria, ao menos, dormir com meus sonhos.

3 comentários:

Igor Martins disse...

Sei que é nerdice extrema e estranha.
Mas seu texto me lembrou disso:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sonho_l%C3%BAcido

Há um tempo tenho interesse em treinar este hábito.

Parabéns pelo texto! É o primeiro que li dos seus!

Igor

Enoc Jr. disse...

Eu não durmo, só desisto do dia.

Diva disse...

Você escreve cada vez melhor! Sou sua fã. Diva